Despedida

Existem duas dores de amor:
A primeira é quando a relação termina e a gente,
seguindo amando, tem que se acostumar com a ausência do outro,
com a sensação de perda, de rejeição e com a falta de perspectiva,
já que ainda estamos tão embrulhados na dor
que não conseguimos ver luz no fim do túnel.

A segunda dor é quando começamos a vislumbrar a luz no fim do túnel.


A mais dilacerante é a dor física da falta de beijos e abraços,
a dor de virar desimportante para o ser amado.
Mas, quando esta dor passa, começamos um outro ritual de despedida:
a dor de abandonar o amor que sentíamos.
A dor de esvaziar o coração, de remover a saudade, de ficar livre,
sem sentimento especial por aquela pessoa. Dói também…

Na verdade, ficamos apegados ao amor tanto quanto à pessoa que o gerou.
Muitas pessoas reclamam por não conseguir se desprender de alguém.
É que, sem se darem conta, não querem se desprender.
Aquele amor, mesmo não retribuído, tornou-se um souvenir,
lembrança de uma época bonita que foi vivida…
Passou a ser um bem de valor inestimável, é uma sensação à qual
a gente se apega. Faz parte de nós.
Queremos, logicamente, voltar a ser alegres e disponíveis,
mas para isso é preciso abrir mão de algo que nos foi caro por muito tempo,
que de certa maneira entranhou-se na gente,
e que só com muito esforço é possível alforriar.

É uma dor mais amena, quase imperceptível.
Talvez, por isso, costuma durar mais do que a ‘dor-de-cotovelo’
propriamente dita. É uma dor que nos confunde.
Parece ser aquela mesma dor primeira, mas já é outra. A pessoa que nos
deixou já não nos interessa mais, mas interessa o amor que sentíamos por
ela, aquele amor que nos justificava como seres humanos,
que nos colocava dentro das estatísticas: “Eu amo, logo existo”.

Despedir-se de um amor é despedir-se de si mesmo.
É o arremate de uma história que terminou,
externamente, sem nossa concordância,
mas que precisa também sair de dentro da gente…
E só então a gente poderá amar, de novo.

(Martha Medeiros)


Comentários

  1. Lindo, adorei.
    Martha Medeiros é demais.
    Abraços
    Madalena

    ResponderExcluir
  2. Olá Ré, conclusão; Amor cria dor! Por isso pergunto o que é Amor? Naturalmente obterei respostas diferentes a classificarem essa dor. Amor para mim, sob vários significados, é viver pensando nos outros.
    Gostei
    Abraço

    ResponderExcluir
  3. Olá Re!

    DE fato o amor de suas vantagens, mas também tem suas agruras, além de um preço muito alto.

    ResponderExcluir
  4. Oi Re! O amor é um sentimento muito complexo... O pior é quando temos a experiência de aprender a gostar de alguém e pouco tempo depois aprender a esquecer... é muito complicado, mas com o tempo conseguimos... E se encontramos alguém para preencher, essa lacuna, fica muito mais fácil passar..
    Abraços! Gostei muito de refletir um pouco.

    ResponderExcluir
  5. Oi Re!
    Lindo texto, sobre o amor...amei!

    O amor♥ é sofredor, é benigno; o amor♥ não é invejoso; o amor♥ não trata com leviandade, não se ensoberbece. 1 Coríntios 13:4

    O amor♥ tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta.
    1 Coríntios 13:7

    Tenhas um feliz e abençoado final de semana!
    Bjssssss

    ResponderExcluir
  6. Olá que lindo é verdade precisamos se desprender,para amar outra vez.bjs

    ResponderExcluir
  7. E quando a gente sofre por outro? Eu não gosto de ver gente amada sofrendo por amor, pois dói em mim também...
    Abraços.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

10 coisas que sua mãe nunca te contou

É fato: se você não se enxerga, também não se mostra!

Significado mesmo? Tem, mas acabou.