Google+ Followers

Seguidores

segunda-feira, 3 de fevereiro de 2014

É fato: se você não se enxerga, também não se mostra!

Esse papo de que a gente precisa primeiro se amar para somente depois se tornar aprazível ao amor do outro é, na teoria, bem simples de entender. Mais ou menos como quando a gente viaja de avião e, antes mesmo de decolar, os comissários se apressam em avisar: Em caso de despressurização da cabine, máscaras de oxigênio cairão automaticamente à sua frente. Coloque primeiro a sua e somente depois auxilie quem estiver ao seu lado. Ou seja, se você não se der conta de que precisa cuidar, antes de tudo, de si mesmo, não estará apto a cuidar do outro e nem despertará nele o desejo de cuidar de você. Em outras palavras, caímos no famoso dito popular: se você não se amar, ninguém mais vai amar.


Sim, eu sei, na prática não é tão simples. Tem a ver com autoconhecimento, autoestima e noção de merecimento. Tem a ver com o modo como você se enxerga. É tudo muito sutil, um tanto inconsciente, mas acredite: funciona exatamente assim! Enquanto você não conseguir se enxergar como uma pessoa bacana, gente boa mesmo, que tem uma beleza autêntica e interessante, que pode se tornar mais e mais atraente, tanto por dentro quanto por fora, não vai convencer ninguém de que vale a pena ser amada. Simplesmente porque nem você consegue fazer isso. Não consegue se amar. Não encontra motivos suficientes para isso. Daí, jamais terá condições de reconhecer o amor que o outro pode lhe dar.

Sendo assim, o primeiro passo é descobrir as razões que a torna uma pessoa que vale a pena ser amada. Talvez facilite se você pensar em alguém que realmente acredita que merece. Quem você diria que, se fosse como ela, certamente seria amada? Quais qualidades essa pessoa tem, tanto internas quanto externas? Por que ela é admirável e encantadora? Quais características lhe parecem tão sedutoras? Tome-a como um modelo, mas nunca, jamais, queira ser exatamente como ela! Você não é e nunca será, felizmente. Nosso maior trunfo é sermos singulares e complementares. Se fôssemos todos iguais, o mundo seria uma grande chatice, pode apostar!

Agora, pegue uma folha e anote tudo o que você precisa melhorar. Por exemplo: cabelo, pernas, pele, humor, jeito de falar, tolerância, falar menos, ouvir mais, não levar tudo tão a sério, ser menos defendido, mais carinhoso, mais divertido... Você sabe! Se estiver realmente disposto a gostar mais de si mesmo, certamente vai se empenhar para se tornar gostável. Peça aos amigos para lhe contar ao menos uma característica sua que poderia ser melhor. E seja inteligente para aproveitar. Não tome tudo como uma crítica. Ouça como uma oportunidade de crescer, evoluir.

E assim, lapidando seu corpo e sua alma, como um processo, uma reforma de si mesmo, estou certa de que, dia após dia, você vai se apaixonar por quem é, por quem você sempre foi, mas se deixou perder em meio a tantos medos e defesas. E quanto mais se olhar diante do espelho e se admirar, mais encontrará seu lugar no mundo. E mais digna e elegantemente o ocupará. E mais certeza terá de que, apesar de não ser amado por todos – porque ninguém é unânime – será amado por quem tiver de ser. Por quem for compatível. Por almas afins, que se identificam e se complementam.

Amar a si mesmo é um exercício de autoconquista diário. Do mesmo modo que você ama o outro pelo que ele faz você sentir, também se ama (ou não) pelos sentimentos e sensações capaz de se provocar. E é isso, exatamente isso, que faz com que o outro também se apaixone por você, ou não... Tudo vai depender não de procurar a pessoa certa, mas de se tornar a pessoa certa! Não de amar o outro para então ser amado, mas de se amar para então ser amado pelo outro e, em contrapartida, oferecer a ele o seu melhor e mais lapidado amor!

Rosana Braga é Palestrante, Jornalista, Consultora em Relacionamentos e Autora dos livros "O PODER DA GENTILEZA" e "FAÇA O AMOR VALER A PENA", entre outros.
www.rosanabraga.com.br 


 

10 comentários:

  1. Pois é Re...Não é fácil se reconhecer,tirar completamente todas as máscaras do nosso interior...!!!Mas não é impossivel...precisamos fazer uma mesa redonda com nosso eu e pensar,refletir o que realmente somos!!Mas concerteza ainda acho que não conseguimos nos conhecer 100% tão rapido...pode levar anos...!!Por isso é bom parar,respirar e se analisar!!bj

    ResponderExcluir
  2. Sempre estar se analisando, concordo com o Victor!

    ResponderExcluir
  3. Olá Re! Essa dica foi de ouro! Ainda mais porque sou muito auto crítico, e isso me faz as vezes perder muito por causa disso... Vou aproveitar essa volta as aulas para pedir aos meus "chegados" algumas sugestões...
    Abraços!

    ResponderExcluir
  4. Texto muito interessante e reflexivo, Re...penso que temos que nos conhecer, gostar de quem somos, e sermos flexíveis para aceitarmos opiniões...como vou gostar de alguém, se não gostar de mim mesma, se não me aceitar...importante, sempre refletir!!!

    Preparei uma surpresa, lá no blog pra ti, quero compartilhar um presentinho que ganhei; dá uma passadinha lá, será um prazer ter a tua companhia!

    Uma linda e abençoada semana!!! (:
    Bjsssssss

    ResponderExcluir
  5. Linda reflexão para iniciar a semana :))
    E eu vou deixar o meu beijo aqui.
    Ótima e produtiva semana, beijo

    ResponderExcluir
  6. Muito bom o exemplo dos dizeres dos comissários: "Coloque primeiro a sua máscara e somente depois auxilie quem estiver ao seu lado." Parece uma frase dura de orientar a pessoa prá vida, mas é a maneira mais rápida, real da pessoa entender.
    Adorei o texto Re. Até copiei.

    Bjus. Fica com Deus!

    ResponderExcluir
  7. Gostar de si mesmo virou mais uma frase pronta, colocar em prática é que são elas! Acredito que se amar é primeiro satisfazer as suas necessidades, sendo um pouco egoísta. Admiro quem saiba dizer não, pois o que tem de vampirinhos soltos por ai... Ah, muitas vezes é na vivência de um amor que aprendemos a gostar de nós mesmos. Quem nos ama, sempre nos valoriza e nos mostra nossas qualidades. Beijus,

    ResponderExcluir

Leitores do Blog