Google+ Followers

Seguidores

sábado, 10 de outubro de 2009

Mais respeito, eu sou uma criança!



Todo mundo diz que as crianças devem respeitar os adultos. E os adultos? Não têm de respeitar as crianças? Este é um assunto sério mesmo... E, toda vez que um assunto é sério mesmo, o jeito é pensar nele através da poesia. Por meio dela, a gente consegue dizer melhor o que sente, o que sonha e o que nos incomoda. A poesia é uma maneira gostosa de tirar o retrato dos nossos sentimentos.
E este livro é uma maneira deliciosa de responder aos adultos quando eles vêm com abusos como "Cale a boca, menino!", "Pare quieto, menino!", "Vá pro seu quarto, menino, que isso não é conversa pra criança!". E coisas do tipo...

“Prestem atenção no que eu digo,



Pois eu não falo por mal:



Os muitos adultos que me perdoem,



Mas infância é sensacional!


Vocês já esqueceram, eu sei.


Por isso eu vou lhes lembrar:



Pra que ver por cima do muro,



Se é mais gostoso escalar?



Pra que perder tempo engordando,



Se é mais gostoso brincar?



Pra que fazer cara tão séria,



Se é mais gostoso sonhar?


Se vocês olham pra gente,



é terra o que vêem por trás.



Pra nós, atrás de vocês,



Há céu, há muito, muito mais!


Quando julgarem o que eu faço,



Olhem seus próprios narizes:



Lá no seu tempo de infância,



Será que não foram felizes?


Mas se tudo o que fizeram



Já fugiu de sua lembrança,



Fiquem sabendo o que eu quero:


Mais respeito, eu sou criança! 


O livro de Pedro Bandeira, Mais respeito, eu sou criança, tem como tema o respeito a criança. Por meios de versos, transmite ao leitor infanto-juvenil e a reflexão sobre a importância da citada temática.  




10 comentários:

  1. Perfeito Regina, como seria bom se em cada adulto ainda morasse uma criança. Parabéns pelo post! Bjs

    ResponderExcluir
  2. Adorei a poesia, a mensagem que ela transmite.
    Bjs

    ResponderExcluir
  3. Linnda, linda poesia, gostei muito, parabéns pela escolha.
    Abraços forte

    ResponderExcluir
  4. tem um poema bonito quen diz assim..
    ó que saudades que tenho da minha terra querida, da minha infancia perdida que os anos não trazem mais...
    na infancia é que fazemos as maiores descobertas, vivemos nossa maiores aventuras, edescobrimos o que realmente é viver.
    quando crescemos ,sentimos saudades, pois já não não nos assombramos com as descobertas,as avcenturas já não são tão cotidianas e a vida já não nos dá a liberdade de aproveitar todos os momentos.

    ResponderExcluir
  5. maravilha de post, vou procurar este livro para ler com os alunos

    ResponderExcluir
  6. Olá Regina,

    Sem dúvida o assunto é muito sério. E tratá-lo em forma de poesia o torna mais agradável. Ótimo post!

    Abraços.

    ResponderExcluir
  7. Bela escolha amiga. Adorei o poema. bjs

    ResponderExcluir
  8. Invertemos todos os valores, não respeitamos as crianças e depois vamos querer que elas nos respeitam ....

    ResponderExcluir
  9. Rê, precisamos sim lembrar de nossa infancia, como a vivemos, o que aprendemos com aquela lição. Não cometer certos erros que podem ser evitados. As crianças vão evoluindo, mas tem suas etapas que precisam de ser estimuladas e respeitadas.

    ResponderExcluir

Leitores do Blog