Google+ Followers

Seguidores

quarta-feira, 23 de janeiro de 2013

Eu sei que a gente se acostuma. Mas não devia.


A gente se acostuma a morar em apartamentos de fundos e a não ter outra vista que não as janelas ao redor. E, porque não tem vista, logo se acostuma a não olhar para fora. E, porque não olha para fora, logo se acostuma a não abrir de todo as cortinas. E, porque não abre as cortinas, logo se acostuma a acender mais cedo a luz. E, à medida que se acostuma, esquece o sol, esquece o ar, esquece a amplidão.

A gente se acostuma a acordar de manhã sobressaltado porque está na hora. A tomar o café correndo porque está atrasado.

A ler o jornal no ônibus porque não pode perder o tempo da viagem. A comer sanduíche porque não dá para almoçar. A sair do trabalho porque já é noite. A cochilar no ônibus porque está cansado. A deitar cedo e dormir pesado sem ter vivido o dia.

A gente se acostuma a abrir o jornal e a ler sobre a guerra. E, aceitando a guerra, aceita os mortos e que haja números para os mortos. E, aceitando os números, aceita não acreditar nas negociações de paz. E, não acreditando nas negociações de paz, aceita ler todo dia da guerra, dos números, da longa duração.

A gente se acostuma a esperar o dia inteiro e ouvir no telefone: hoje não posso ir. A sorrir para as pessoas sem receber um sorriso de volta. A ser ignorado quando precisava tanto ser visto.

A gente se acostuma a pagar por tudo o que deseja e o de que necessita. E a lutar para ganhar o dinheiro com que pagar. E a ganhar menos do que precisa. E a fazer fila para pagar. E a pagar mais do que as coisas valem. E a saber que cada vez pagar mais. E a procurar mais trabalho, para ganhar mais dinheiro, para ter com que pagar nas filas em que se cobra.

A gente se acostuma a andar na rua e ver cartazes. A abrir as revistas e ver anúncios. A ligar a televisão e assistir a comerciais. A ir ao cinema e engolir publicidade. A ser instigado, conduzido, desnorteado, lançado na infindável catarata dos produtos.

A gente se acostuma à poluição. Às salas fechadas de ar condicionado e cheiro de cigarro. À luz artificial de ligeiro tremor. Ao choque que os olhos levam na luz natural. Às bactérias da água potável. À contaminação da água do mar. À lenta morte dos rios. Se acostuma a não ouvir passarinho, a não ter galo de madrugada, a temer a hidrofobia dos cães, a não colher fruta no pé, a não ter sequer uma planta.

A gente se acostuma a coisas demais, para não sofrer. Em doses pequenas, tentando não perceber, vai afastando uma dor aqui, um ressentimento ali, uma revolta acolá. Se o cinema está cheio, a gente senta na primeira fila e torce um pouco o pescoço. Se a praia está contaminada, a gente molha só os pés e sua no resto do corpo. Se o trabalho está duro, a gente se consola pensando no fim de semana. E se no fim de semana não há muito o que fazer a gente vai dormir cedo e ainda fica satisfeito porque tem sempre sono atrasado.

A gente se acostuma para não se ralar na aspereza, para preservar a pele. Se acostuma para evitar feridas, sangramentos, para esquivar-se de faca e baioneta, para poupar o peito. A gente se acostuma para poupar a vida. Que aos poucos se gasta, e que, gasta de tanto acostumar, se perde de si mesma.


 (O texto acima foi extraído do livro "Eu sei, mas não devia")

18 comentários:

  1. Lindo texto para reflexão...a gente se acostuma com tantas coisas, mas não deveria, o certo é não estarmos acomodados, conformados com as situações, mas lutarmos e fazer o que tiver ao nosso alcance, e mudar o que deve ser mudado, só assim não nos perderemos.

    Beijos...Tenha uma feliz quinta-feira!!
    ♥ O/ ♥
     /▌
     /\

    ResponderExcluir
  2. Sandra obrigada pela participação,somos totalmente acomodados e não nos damos conta disso, já faz parte de nossa rotina.
    bjus
    ♥ O/ ♥
     /▌
     /\

    ResponderExcluir
  3. Olá minha amiga!, saudade! Há muito que a gente não se encontra aqui no virtual.
    Lindo e verdadeiro o texto que você escolheu da Marina Colasanti. Espero que a gente se desacostume de algumas coisas.
    Bjins
    MarGGa

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Margga que bom vê-la aqui, nós brasileiros somos um povo acomodado por natureza
      bjoks

      Excluir
  4. Muito boa está postagem.
    Indiquei para todos os
    amigos,
    bj

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mada obrigada por prestigiar meu Blog com tua presença!
      bj

      Excluir
  5. "A gente se acostuma para não se ralar na aspereza, para preservar a pele. Se acostuma para evitar feridas, sangramentos, para esquivar-se de faca e baioneta, para poupar o peito. A gente se acostuma para poupar a vida. Que aos poucos se gasta, e que, gasta de tanto acostumar, se perde de si mesma."

    Seu blog é lindo demais!
    bjks amiga querida

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Di obrigada por tua presença que é muito importante pra mim!
      bj

      Excluir
  6. Na verdade a pressão que a vida exerce sobre nós é muito grande. Somente um esforço sobre humano, um exercício de superação diária uma disciplina férrea podem talvez mudar essa situação.

    ResponderExcluir
  7. Oiii amiga
    Excelente postagem,agente se acustama a tantas coisas que se tornamos prisioneiros,verdadeiros acomodados,esquecendo nossas verdadeiros desejos e vontades!!!
    Bjusss querida!!

    ResponderExcluir
  8. O texto da Marina Colasanti mostra uma verdade cruel que afeta muitas vidas. Há duas causas para isto. Algumas pessoas são fracas para vencer o marasmo de suas vidas, embora tenham condições familiares e sociais para conseguir isto. Mas há pessoas que enfrentam adversidades familiares e socias que as impedem de libertar-se e serem felizes. É um texto muito bom com que você nos brindou. Parabéns!

    ResponderExcluir
  9. Bárbaro!
    É assim que acontece....e que triste, não é?
    Amei!
    É para parar e pensar profundamente no assunto.
    "A gente se acostuma para poupar a vida. Que aos poucos se gasta, e que, gasta de tanto acostumar, se perde de si mesma."
    Parabéns pela postagem.
    Agradeço por levar-me a pensar a respeito.
    Kátia

    ResponderExcluir
  10. Parabéns pela postagem!
    As pessoas não se acostumam, fingem que se acostumaram!

    ResponderExcluir
  11. Gostei muito do seu texto. As pessoas ficam num estilo de vida em que não aproveitam a sua própria vida, e nem relaxam nem nada. Tenho pena dessas pessoas, que se esforça muito para terem "nada".

    ResponderExcluir
  12. obrigada André e a todos os amigos que participaram!
    abr

    ResponderExcluir
  13. Olá querida já estou seguindo o seu blog que é muito bonito e criativo, peço que venha visitar o meu blog e caso tenha gostado por favor curtir a minha página e nos seguir. Estamos abertos a parcerias é só enviar o banner para o nosso e-mail ou nos avisar caso pegue no nosso blog.
    Beijos e Abraços.
    Blog: http://bibliaf.blogspot.com.br/
    FanPage: http://www.facebook.com/pages/B%C3%ADblia-em-Foco/371143242896990
    Email: biblia-em-foco@hotmail.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Viviane, já estou seguindo tudo que tu me pediu...obrigada por sua presença...
      abr

      Excluir
  14. Verdade tudo o que disse... As pessoas tem perdido o mais importante que há na vida! A alegria... Essa é a grande verdade... Gostei muito da postagem.
    Abraços

    ResponderExcluir

Leitores do Blog